Katharine Siegling:
O seu caminho para a liberdade

Retrato de uma mulher invulgar

Katharine Siegling não é apenas a fundadora do Centro Cristão Rhema - é também a criadora de Glory International.

Este poema expressa na perfeição o quanto as pessoas a apreciam e amam:

A minha pastora
 
Profética, deslumbrante e bela
Sincera, verdadeira em palavras e ações
Altruísta, um modelo para todos
Fiel, cheia de devoção aos outros
Original, única, criadora e criativa
Gloriosa, honrada e livre
Inteligente, perspicaz e corajosa
Criada de novo, à imagem de Deus.

Agradeço-te de todo o coração pela força, tempo e amor que investiste em mim e ainda investes. Graças a ti, cresci em palavras, a minha alma foi restaurada e aprendi o que significa estar em Cristo. Estou entusiasmado com os teus sermões e não só com isso, mas também com a tua adorável personalidade.

A tua Ani K.W.

Uma rapariga alemã num país comunista

Conhecemo-la há muitos anos e apreciamos o seu forte sentido de justiça e liberdade, beleza e verdade. Nasceu na Roménia e cresceu numa família na Transilvânia de ascendência alemã. Rodeada de segurança e muito amor, aprendeu, ainda com sete anos, a lutar por justiça e igualdade com os pais adotivos. Os seus pais biológicos também encorajavam essa atitude com convicção.
Devido ao negro passado da Alemanha, ela percebeu o que significa viver num país comunista como uma menina alemã.

Discriminação e desvantagem

O desejo inicial de Katharine Siegling era prosseguir profissionalmente o seu sentido de justiça e estudar Direito na Roménia, depois de terminar o ensino secundário. Uma vez que nem ela nem os pais eram membros do partido e a família teve de lutar para se mudar para a Alemanha Ocidental, foi-lhe negada esta possibilidade. Portanto, teve de seguir um rumo diferente depois de completar o secundário e formar-se em engenharia mecânica certificada pelo Estado, com especialização em design. Depois, estudou arte. Ambos os cursos foram totalmente reconhecidos na Alemanha pelo governo da Baixa Baviera em 1985.

O preço da liberdade

Ela e a família viveram sempre com a consciência de que não poderiam ficar permanentemente na Roménia. Desde 1970, as pessoas procuravam deixar o regime de Ceaucescu e ir para a Alemanha. No outono de 1983, a história e o sofrimento da sua família e de uma família romena amiga que sofrera discriminação por causa da sua fé batista, foram enviados para emissoras de rádio ocidentais. O contacto com a emissora Freies Europa em Munique e com a BBC, a quem foi pedida ajuda urgente, foi altamente arriscado para a vida e a liberdade das famílias. Sem saber se este "apelo" à ajuda daria frutos, as famílias prepararam-se para uma greve de fome. Mas depois veio a notícia de que a sua história de vida tinha sido transmitida na rádio e que o então Primeiro-Ministro da Baviera, Franz Josef Strauß, se tinha pessoalmente empenhado a favor da sua saída da Roménia.

Perda de emprego e expropriação pelo Estado

No entanto, até que a família deixasse o país, ainda havia de passar por algumas provações. Quando a autorização de saída do país foi anunciada em Fevereiro de 1984, Katharine Siegling, juntamente com um grupo de engenheiros e técnicos alemães da sua empresa, foi deposta e perdeu o emprego. Isto foi notavelmente registado na sua cédula profissional da época. Os seus quadros, que tinham acabado de ser apresentados numa vernissage, tão pouco lhe foram devolvidos. A família teve de renunciar ao seu património.

Franz Josef Strauß permite a saída do país

Passou um ano até que Katharine Siegling pôde agradecer pessoalmente a Franz Josef Strauß pelo seu empenho. Que grande alegria! A sua gratidão e o seu alívio pela saída do regime romeno e pelo sucesso da imigração para a Alemanha foram documentados com fotos com Franz Josef Strauß, na primavera de 1985.

O seu compromisso pessoal pelos oprimidos

Hoje, ela empenha-se pessoalmente em ajudar os oprimidos e discriminados desempenhando funções numa organização de direitos humanos, de membro honorário. Demonstrou-se coragem e entusiasmo neste papel em muitos outros eventos, mas descrevê-los iria bastante além do nosso propósito.

Viragem dramática: de Kant a Jesus, de Schopenhauer e Nietzsche à Bíblia

Katharine Siegling teve os seus primeiros contacto com a fé através da família batista amiga na Roménia, que também conseguiu emigrar para os EUA. Esta íntima ligação persiste até aos dias de hoje.

No entanto, com uma vida marcada por vernissages em que expunha as suas pinturas de arte e pelas ideias de iluminadores filosóficos como Kant, Schopenhauer e Nietzsche, não havia nada, nesta época, que a remetesse para a Bíblia.

Encontraria Deus, por fim, no dia 1 de agosto de 1987, na conferência religiosa “Glaubenskonferenz von Wort des Glaubens”, em Munique, numa palestra de Mark Brazee. Deus curou-a de uma maneira dramática e começou a fazer milagres na sua vida - Jesus Cristo assumiu o domínio!

Viver e servir no Espírito Santo

Ela recebeu o fogo do Espírito Santo na Conferência Eurofire 1987, em Frankfurt, nos eventos conjuntos de Reinhard Bonnke e Benny Hinn. Depois disso, viveu durante alguns anos na capital federal Munique, onde frequentou a Escola Bíblica da Palavra de Fé e depois completou o programa de foco pastoral.

Modelos de fé

Através de modelos de fé como Mark Brazee, Lester Sumrall, Reinhard Bonnke, Benny Hinn, Kenneth E. Hagin, Oral Roberts e Steve Hill, o amor pela Palavra de Deus e pelo Espírito Santo foi despertado e fortalecido na sua vida.

Katharine Siegling:
Uma vida cheia de paixão

Katharine Siegling é uma mulher cheia de paixão exuberante pelo reino de Deus. Através da sua vida pessoal, da sua integridade e da sua obra espiritual, ela transmite esperança renovada, coragem e força a inúmeras pessoas.